Alterações Dermatológicas na Endocrinologia

Alterações Dermatológicas na Endocrinologia

Os dermatologistas geralmente podem ver lesões cutâneas que refletem uma desordem endócrina subjacente. Identificar a endocrinopatia é muito importante, para que os pacientes possam receber tratamento correto.

Veja abaixo algumas doenças endocrinológicas que cursam com manifestações cutâneas:

Hipertireoidismo:

O hipertireoidismo é uma doença caracterizada pela hiperfunção da glândula tireoide, com aumento da produção e secreção dos hormônios tireoidianos – T4l, T3.  A causa mais comum e a doença de Graves, distúrbio auto- imune.

As manifestações cutâneas do hipertireoidismo incluem sudorese excessiva, pele quente e úmida, queda de cabelos, cabelos finos e brilhantes.

Na doença de Graves nas fazes avançadas podemos encontrar também o mixedema pré tibial que são lesões cutâneas elevadas, simétricas e infiltradas, que variam de castanho-amareladas a vermelho-violáceas e se localizam, preferencialmente, no terço médio e inferior da região pré-tibial e, ocasionalmente, no dorso dos pés.  A pele, normalmente, se encontra espessada e com proeminência folicular, dando aspecto de “casca de laranja”.

Hipotireoidismo:

O hipotireoidismo é uma das patologias mais prevalentes na prática clinica endocrinológica e decorre da redução da produção dos hormônios tireoidianos.

As principais manifestações dermatológicas ocorrem na pele e fâneros. A pele dos pacientes com hipotireoidismo é pálida, seca e áspera. O cabelo torna-se sem brilho, grosso e quebradiço e cerca de 50% dos pacientes podem apresentar queda de cabelos. As unhas ficam quebradiças e finas.

Diabetes Mellitus:

Pacientes com Diabetes Mellitus (DM) podem apresentar diferentes manifestações cutâneas, algumas das quais são específicas para DM, enquanto outras são secundárias a mudanças metabólicas na doença.

A alteração cutânea mais comum no diabetes, ocorrendo em cerca de 40% é a dermopatia diabética. Quando presente manifesta-se com pequenas manchas indolores arredondadas, atróficas, circunscritas, encontradas principalmente nas extremidades inferiores. Tais manchas podem aparecer isoladas ou em grupos, em número variável, geralmente bilaterais, não-simétricas. Inicialmente pequenas e claras, tendem a coalescer e tornar-se mais escuras

A acantose nigricans é uma dermatose relacionada a  resistência à insulina e frequentemente presente nos pacientes DM2,  Caracteriza-se por espessamento aveludado da pele e hiperpigmentação simétrica de flexuras cutâneas, como região cervical, axilar e inguinal.

Em pacientes com DM tipo 1 o vitiligo pode estar presente em 10% dos pacientes.

Síndrome dos ovários policísticos:

Embora a fisiopatologia ainda não tenha sido inteiramente elucidada, várias vias hormonais contribuíram para suas sequelas reprodutivas e metabólicas. Indivíduos com a síndrome aumentaram a ação pulsátil do hormônio liberador de gonadotropina, levando a secreção preferencial de hormônio luteinizante (LH). Aumentos em LH e insulina contribuem para o excesso de andrógenos marcado observado nesta síndrome.

A síndrome dos ovários policísticos é a causa mais comum do hirsutismo, que é definido como um excesso de crescimento dos pelos  terminais em uma distribuição de padrão masculino, incluindo a área da barba (costas e pescoço), costas, tórax e abdômen inferior.

Acromegalia:

A acromegalia é uma doença rara causada pelo excesso da secreção do hormônio de crescimento, o GH em sua grande maioria devido a um adenoma na hipófise.

Por ser uma doença insidiosa, no momento da apresentação a grande maioria dos pacientes já apresentam alteração cutânea, geralmente mais visível no rosto, mãos e pés. Os dedos apresentam aumento de tamanho e o paciente sente necessidade de aumentar progressivamente o tamanho do calçado e de anéis.

Dado muito característico é face acromegálica, isto é, proeminência frontal, prognatismo (protrusão mandibular), nariz alongado, grandes orelhas, macroglossia, hipertelorismo, edema palpebral e afastamento dentário por hiperplasia gengival.

Síndrome  de Cushing:

A Síndrome de Cushing e caracterizada pelo aumento dos níveis séricos de cortisol e a principal causa é a Doença de Cushing no qual o excesso de cortisol decorre de causa hipofisária.

A síndrome de Cushing também é acompanhada de numerosas alterações cutâneas distintas como estrias violáceas com diâmetro > 1cm principalmente em abdome, facie em lua cheia, acantose nigricans, acne., hirsutismo

Doença de Addison:

A doença de Addison ocorre devido a agressão auto imune da glândula supra renal, ocasionado redução da produção do cortisol.

Nesta patologia, cerca de 70% podem apresentar hiperpigmentação cutânea mais proeminente em áreas expostas ao sol.

Outra manifestação que pode estar presente e o Vitiligo, causado pela destruição auto-imune de melanócitos dérmicos, ocorrendo em 10-20% dos pacientes.

Gostou? Quer saber mais? Mande uma mensagem que ficarei feliz em responder

 

Fonte: Dermatologic manifestations of endocrine disorders: Transl Pediatr. 2017 Oct; 6(4): 300–312

Deixe uma resposta

Fechar Menu